Ano letivo 2012/2013

"A escola é mais do que um espaço onde se transmite conhecimento" - Vitorino Magalhães Godinho

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Uma carta ou um acto de cidadania

Oliveirinha, 18 de Dezembro de 2009

Ex.mos Senhores:

Hoje dia da inauguração oficial da biblioteca que já foi instalada há mais de um ano, queremos dizer que estamos contentes por a nossa escola ter uma biblioteca, porque a maioria de nós adora ler e desde o 1ºano aprendemos, com a nossa professora, como os livros nos ensinam, nos espantam, nos surpreendem…
Tal como a palavra grega nos diz, a biblioteca é o”cofre dos livros” que nos dão mais informações mais criatividade, mais cultura.
Também a palavra escola tem a sua origem, mais próxima no latim – schola – que já vem do grego – skhole – que significava lazer!
Nós gostamos muito da escola, e sentimo-nos bem, mas achamos que quem manda podia fazer muito mais por nós.
Acharam a nossa escola limpinha?
Pois a verdade é que, há mais de um mês, na sala de aula, vivemos no meio do pó!
Acham, que por não vivermos em Aveiro temos menos direitos que os meninos da cidade?
Pois é. Nos também achamos que temos os mesmos direitos.
Então por que é não vamos ao teatro, a museus, a exposições?
Não vamos porque nunca temos transporte!!
Sabem que na nossa turma temos um vice-campeão nacional de xadrez do escalão sub-10?
Pois é. Graças ao prof.º Dinis, a quem a Câmara ainda não pagou!!!
Sabem quantas vezes a animadora da biblioteca veio à escola?
Veio três, o primeiro período todo. Disse-nos que não teve carro!!!
Então?!
Estamos tristes, muito tristes, tristíssimos!!!!
Esperamos que o espírito de Natal vos ilumine para o inicio do ano os mais de 5000 visitantes do nosso blogue possam saber que alguma coisa mudou.
Feliz Natal e um Bom Ano Novo
Beijinhos
Quiquinhos

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Votos de Bom Natal

Os Quiquinhos retribuem aos Pirilampos e à Pirilampa professora os desejos de um Bom Natal, cheio de Luz pirilampa, Paz, Amor, Saúde e muitos amigos....
E ser for possível um presentinho, para os que merecem.
Um Ano Nono cheio de histórias e muita criatividade.
Beijos: 24x2 para cada um e para a professora.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Cartas ao Pai Natal


Oliveirinha, 12 de Dezembro de 2009.

Querido Pai Natal:

Estás bom? Estás pronto para o grande dia?

Lembras-te de mim?
Sim. Sou Sofia, aquela que pediu todos os brinquedos que havia na revista. Que tolice a minha! Vou apresentar-me como deve ser.

Olá, eu chamo -me Sofia, tenho 9 anos, moro na Rua do Goucho, nº 20, na Povoa do Valado.

Eu sei que estás cheio de trabalho: precisas de confirmar se os garotos merecem ou não as prendas, se o trenó está limpo…tudo isso…

O que eu quero pedir-te não só tem a ver comigo, como tem a ver com todo o planeta.
Gostava de pedir-te, para quando estiveres disponível, se faz o favor, de me vires ajudar a construir um “Ambientolas”.

O “Ambientolas” é uma máquina que trabalha a energia solar e é constituído por 5 botões: amarelo, azul, verde, roxo e vermelho.

Botão amarelo: Se carregarmos nele, aparece um aspirador gigante amarelo às bolinhas laranjas, que aspira toda poluição que existe, cada vez mais no planeta.

Botão azul: Se carregarmos nele, aparece um canhão que atira cubos de gelo ao ar para quando chegarem cá em baixo já tenha havido a fusão e cair água que arrefeça o planeta e acabe o aquecimento global.

Botão verde: Se carregarmos nele, aparece um papagaio em forma de um coração que passa pelos Homens e dá amor, carinho, amizade, solidariedade…

Botão roxo: Se carregarmos nele, aparece uma agulha gigante que coze o buraco do Ozono. Graças ao buraco do Ozono há o aquecimento global!

Botão vermelho: Se carregarmos nele, aparece um alimento para quem precisa. Por causa do nosso egoísmo há crianças a morrer à fome noutros países e noutros continentes.

Há outra coisa que te quero pedir. São dois livros chamados: “O Diário de um Banana” e “ O Diário de um Banana 2”.
.Beijinhos da tua amiga
Sofia
Oliveirinha, 9 de Dezembro de 2009
Querido Pai Natal:
Eu sou o Ricardo Peralta, tenho 7 anos e moro na Rua Direita, nº 81 na Costa do Valado.
Este ano portei-me bem porque fiz sempre os T.P.C “s” e obedeci aos meus pais.
Então queria pedir saúde.
Também se tivesses possibilidades gostava que me deixasses no sapatinho: um conjunto de telecomunicadores, a areia que nunca seca e uma história do Rato Renato.
Bem-haja por tudo e até para o ano.
Beijinhos
Ricardo Peralta
2º ano

Pai Natal:
Queria pedir-te saúde e paz.
Queria pedir-te, ainda, para não me dares nada que prejudique o ambiente porque o buraco do ozono aumenta e o planeta aquece cada vez mais, e alem disso o AMBIENTE é tema do nosso projecto.
Espero que cumpras o que eu te disse.
Um beijo do David S.
P.S.- A professora acha que te posso pedir alguns presentes.
Queria um livro do “Gatinho Mágico” um da “Aventura" e um do “Principezinho”

Querido Pai Natal

Olá, chamo-me Guilherme, tenho 9 anos, moro na Rua das Agras, nº 14, 2 Dto., em Esgueira.
Este ano acho que me portei bem porque tive boas notas. Nas aulas quase nunca estive distraído… Mas acho que tenho que melhorar em alguns aspectos, como o respeito pelos meus colegas, na aula de inglês.
Este ano queria pedir-te juízo, paz para o mundo e saúde para todos.
Também te peço que quando entregares as prendas, escrevas uma mensagem a alertar as pessoas para o aquecimento global, porque se isto continuar assim os meninos do futuro nunca saberão quem é o velho com barbas que viaja pelo mundo.
Se tiveres possibilidades gostava também que me desses roupa e um livro.
Um Beijo do
Guilherme

Carta ao Pai Natal
Pai Natal
com teu fato vermelhinho
tuas barbas branquinhas
traz presentes a este menino

este menino que sou eu
um bocadinho preguiçoso
mas com um grande coração
e por sinal muito jeitoso

só me lembro de ti
quando chega o Natal
meu velhinho gordinho
desculpa lá Pai Natal

se estiveres com fome
quando desceres a chaminé
vou-te deixar umas bolachas
e um leitinho com café

não te esqueças do meu mano
ele também é bom rapaz
um bocadinho resmungão
mas as notas não vão ser más

já agora, sou o Gonçalo
queria ter o presente ideal
uma bicicleta branquinha, chocolates
e votos de um Feliz Natal

Beijinhos .....Gonçalo

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

O meu mês preferido é...

Abril

O meu mês preferido é Abril, o mês em que faço anos.
Abril é o mês das flores.
Até há uma revolução chamada Revolução dos cravos, que aconteceu no dia 25 de Abril, o meu dia de anos.
Em Abril a natureza fica verde e fresquíssima.
Os pássaros voam alegremente e o clima aquece.
Foi em Abril que acabou a ditadura e começou a democracia.
Para mim Abril podia ser um tanque com cravos.
Eu gosto do mês de Abril porque é um mês de paz, que é simbolizada por uma pomba branca.
E se "Em Abril águas mil" as plantas germinam e há imensas aromas pelo ar.
No mês de Abril cheira a Primavera.
A mãe de Abril chama-se Primavera porque Abril é tempo de Primvera.
O avô de Abril é o Ano porque o Ano é o pai da Primvera.

ANA RITA

Natal nas Asas do Arco-Íris



Adivinhem que livro lemos...

Era uma cidade cinzenta
Quando Ariela chegou,
Chamou as outras fadinhas
E os meninos encantou.

Era uma cidade cinzenta
Sem sorrisos,
Só com tristeza.
Quando Ariela chegou
A cidade conheceu a beleza.

Inês Leite

Comentários
Ana Rita:
Natal nas asas do arco-íris é uma história que mostra como sem cores, a vida é triste e vazia.
Eu gostei mais quando a cidade ficou colorida, porque tudo ficou alegre.
Eu odiei quando a cidade era cinzenta, porque havia tristeza.

André Filipe:
Natal nas asas do arco -íris é uma história que fala de uma cidade cinzenta e as pessoas não tinham temp. Eu gostei da parte que as casas ficaram com as bolinhas e odiei quando a cidade era cinzenta.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Restauração da Independência


Dia 1 de Dezembro é feriado em Portugal. Comemora-se o Dia da Restauração da Independência.
Tudo começou em finais do séc. XVI o rei de Portugal era D. Sebastião.
Em 1578, D. Sebastião quis ir lutar com os mouros no Norte de África e morreu na batalha de Alcácer-Quibir. Portugal ficou, assim, sem rei, pois D. Sebastião era muito novo e ainda não tinha filhos, não havia herdeiros directos para a coroa portuguesa.
Assim, quem subiu ao trono foi o Cardeal D. Henrique. D. Henrique só reinou durante dois anos, porque nem todos estavam de acordo com ele, como novo rei.
Mas não pensem que estas coisas são muito simples. Houve muitos pretendentes e isto deu muita confusão...
Em 1580, nas Cortes de Tomarem, Filipe II, rei de Espanha, foi escolhido como o novo rei de Portugal. A razão para a escolha foi simples: Filipe II de Espanha era filho da infanta D. Isabel e também neto do rei português D. Manuel, por isso tinha direito ao trono.
Durante 60 anos, viveu-se em Portugal um período que ficou conhecido na História como "Domínio Filipino". Depois do reinado de Filipe II (I de Portugal), veio a governação de Filipe III (II de Portugal) e Filipe IV (III de Portugal). Estes reis governavam Portugal e Espanha ao mesmo tempo, como um só país.
Os portugueses acabaram por revoltar-se contra esta situação e, no dia 1 de Dezembro de 1640, puseram fim ao reinado do rei espanhol.
Na altura, a Duquesa de Mântua era vice-rainha e Miguel de Vasconcelos era escrivão da Fazenda do Reino.
No dia 1 de Dezembro de 1640, os Restauradores mataram Miguel de Vasconcelos. Filipe III abandonou o trono de Portugal e os portugueses escolheram D. João IV, duque de Bragança, como novo rei.
O dia 1 de Dezembro passou a ser comemorado todos os anos como o Dia da Restauração da Independência de Portugal, já que o trono voltou para um rei português.

Inês Leite 4º ano

Como todos sabem, no dia 1 de Dezembro é feriado em Portugal.
Neste dia comemora-se o dia da Restauração da Independência.
Tudo começou nos finais do século XVI, o rei de Portugal era D. Sebastião.
Em 1578 D. Sebastião morreu na batalha de Alcácer-Quibir e como era muito novo e ainda não tinha filhos, não havia herdeiros directos para a coroa portuguesa.
Houve uma grande confusão, porque havia muitos pretendentes à coroa. Assim quem subiu ao trono foi o Cardeal D. Henrique, que era tio avô de D. Sebastião.
Em 1580, nas Cortes de Tomar. Filipe II, rei de Espanha, foi escolhido como novo rei de Portugal, porque era filho da infanta D. Isabel e também neto do rei português D. Manuel, por isso tinha direito ao trono.
Nesta altura era frequente acontecerem casamentos entre pessoas das cortes de Portugal e Espanha.
Durante 60 anos, viveu-se em Portugal um período que ficou conhecido na História como "Domínio Filipino". Os reis governaram Portugal e Espanha ao mesmo tempo, como um só país.
Havia muitos defensores do rei espanhol em Portugal, mas o povo português não gostava disso porque o país não era governado com justiça.
Um dos defensores com muito poder era Miguel de Vasconcelos. Era escrivão na Fazenda do Reino, vivia com a Duquesa de Mântua que era vice-rainha, prima rei Filipe III.
Os portugueses acabaram por revoltar-se com esta situação e no dia 1 de Dezembro de 1640, puseram fim ao reinado do rei espanhol
Os Restauradores aprisionaram a Duquesa de Mântua e mataram Miguel de Vasconcelos a tiro, depois atiraram o seu corpo pela janela abaixo no Paço da Ribeira.
A Multidão revoltada agarrou no corpo e arrastou-o pelas ruas da cidade até se desfazer.
Na altura quem governava era Filipe III que abandonou o trono de Portugal e os portugueses escolheram D. João IV, duque de Bragança, como novo rei.
O dia 1 de Dezembro passou a ser comemorado todos os anos como o dia da Restauração da Independência de Portugal, já que o trono voltou para um rei português.

Gonçalo

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Acta nº3

Aos 30 dias do mês do Outubro de 2009 reuniu-se a Assembleia da Turma dos Quiquinhos com a seguinte ordem de trabalho:
Ponto 1. - Construção de uma instalação com Cd(s) sobre os direitos humanos
Ponto 2. - Leitura do poema de Eugénio de Andrade “ Urgentíssimo”
Ponto 3. - Outros assuntos
Quanto ao ponto 1 todos concordaram em fazer a Instalação Cd(s) onde estarão escritos direitos humanos.
Concordou-se ainda com a participação na corrida por Timor e na marcha pela paz.
Depois de lido o poema “Urgentíssimo” de Eugénio de Andrade a assembleia escolheu como palavras a destruir: Crueldade, Medo, Guerra, Solidão, Fascismo, Poluição, Racismo, Tortura, Egoísmo, Escravatura, Fome, Tráficos, Violação, Dor, Violência, Inimigos e Desrespeito.
E como palavras a reinventar como Paz, Amor, Amizade, Solidiriedade, Respeito, Alegria e Beleza.
A professora disse que estava muito triste com dois meninos: a Adriana e o Fábio devido à falta de respeito por alguns valores pessoais.
A Rita disse que o David Madail. e o André Oliveira. costumam estar sempre a falar.
Depois da Ana Rita ter chamado à atenção de alguns comportaentos de distracção e da professora ter dito que esses comportamentos não eram graves o Guilherme assumiu honrosamente que tinha sido o provacador das situações referidas. A Ana Rita também assumiu as suas culpas, bem como a Sofia. O Igor pediu desculpa ao David por ter posto as culpas em cima dele.
Por não haver mais nada a tratar foi encerrada a assembleia e escrita esta acta que será assinada pelos membros da mesa. Gonçalo e Guilherme

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Escreve-me poesia

No início do ano lectivo foi pedido aos pais e mães, claro, que apesar da sua vida tão ocupada e da falta de tempo para virem mais vezes à Escola e participarem nas actividades desenvolvidas com as crianças, tentassem participar de casa, em alguns desafios como o de criarem histórias e textos diversos e que os oferecessem às crianças dando assim valor às práticas de escrita e de leitura.
Então o primeiro desafio foi o de criarem quadras relativas ao S. Martinho e o resultado foi a descoberta de verdadeiros poetas e artistas no versejar. Parabéns mamãs. Sim, porque temos que fazer jus às mamãs, porque na maioria dos casos forma elas que se aplicaram.



Quadras de S. Martinho


Vai haver um magusto
Lá na minha escola
Castanhas quentinhas que são um susto
Água-pé, jeropiga e Coca-Cola.


Chegaram todos contentes
Até trouxeram presentinhos,
Para fazerem o magusto
Na escola dos Quiquinhos.


Dentro da fogueira
Estão as castanhas a assar,
Há volta dela estão
Os meninos e a Quicas a dançar.


Gosto do dia de S. Martinho
Porque há sempre uma festinha
Aparece se quiseres
È na escola 1ºCiclo de Oliveirinha

Elsa Martins/Mãe do Gonçalo 4º ano


São Martinho

No dia de São Martinho
Eu acordei muito cedo,
E lá fui com meu cestinho
Comprar castanhas em segredo.

Com o cesto bem cheio
Eu fui logo para casa,
Acender o fogareiro
E pôr as castanhas na brasa.

Ficaram tão douradinhas
Pareciam rir-se para mim,
Comecei a comer castanhinhas
E fiz um grande festim.

Como a sede me apertava
Abri uma garrafa de vinho,
Tão feliz e eu estava
Que brindei ao São Martinho.

Sempre a comer e a beber
Comecei a ver tudo a dobrar,
De pé não me consegui manter
Tive que me ir deitar.

Só via castanhas e vinho
Mas estava consolada,
Obrigada São Martinho
Por esta bela castanhada.

Rosa Branco/ Mãe do David 4º ano



Para o dia de S. Martinho
Castanhas eu vou levar
Vamos assá-las na escola
Eu mal posso esperar.

Dia 11 é dia de festa
Pois é dia de S. Martinho
Vamos comer castanhas
E beber um suminho.

Dia 11 de Novembro
É dia de S. Martinho
Festeja-se a rigor
Com castanhas e vinho.

Já estamos em Novembro
S. Martinho está a chegar
Vou comprar muitas castanhas
Para esse dia festejar.

No dia de S. Martinho
O lume eu vou acender
Para as castanhas assar
E também para me aquecer.
Cristina /Mãe do Miguel 2º ano e da Inês 4º ano

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

HOJE FOMOS AO TEATRO



O SOLDADINHO
Hoje dia 5 de Novembro de 2009 fomos assistir a um teatro, no auditório da Junta de Freguesia.
O espectáculo baseava-se na história do Soldadinho de Chumbo, só que em vez de o Soldadinho ir parar ao lume foi parar a um esgoto.
Vou contar a história em poucas palavras.
Era uma vez um soldadinho muito valente, muito corajoso, que apesar de só ter uma perna era um Guerreiro implacável.
Certo dia foi oferecido a um menino. Quando o menino o viu, só com uma perna, atirou-o para cima da cama, com um ar triste.
À noite, o soldadinho viu que todos os brinquedos, que estavam no quarto dançavam, enquanto os humanos dormiam.
Logo na primeira noite o soldadinho apaixonou-se por uma linda bailarina que ali vivia.
Quando estavam todos a dançar apareceu o diabrete que era muito mau, muito vingativo.
Então, ele queria aleijar o soldadinho, mas o soldadinho defendeu-se com bravura e consegui ganhar a batalha.
No dia seguinte puseram-no à janela. De repente a janela fecha-se e o soldadinho caiu, numa queda vertiginosa.
Começou a chover e outro menino começou a brincar com ele, pô-lo a deslizar numa floreira e ele foi parar ao esgoto.
No esgoto é apanhado pelos monstros vomitadores e levado para um doutor muito esquisito.
Ele após muito esforço conseguiu sair da sala do doutor e libertar-se do esgoto indo parar ao Mar Alto. Andava a surfar nas ondas quando, de repente lhe aparece um tubarão que o engole.
Depois o tubarão foi apanhado e vendido.
Quando a senhora estava a amanhar o peixe viu que saiu lá de dentro um soldadinho.
Quando ele acordou, viu que aquela casa era a onde tinha vivido antes de ir para o esgoto.
Então nessa noite decidiu declarar-se à bailarina.
Então os dois amados dançaram uns minutos até aparecer o diabrete que pôs tudo num caos.
O soldadinho lutou mais uma vez com bravura e mais uma vez consegui ganhar a batalha para sempre.
Assim o soldadinho e a bailarina viveram felizes para sempre.

Guilherme

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Terramoto 1755

O maior terramoto que aconteceu em Portugal, foi em Lisboa, no dia 1 de Novembro de 1755. Morreram cerca de 60 mil pessoas.
O terramoto foi tão forte que fez estragos em todo o país, e sentiu-se até ao Sul de França e ao Norte de Àfrica.
Mas ninguém imaginava o terror que ia ser. Passado algum tempo houve um segundo abalo, também muito violento. Durante 3 dias os abalos não pararam. Ruíram casas e prédios, as pessoas ficaram soterradas.
Era um dia de muito frio e por causa disso as pessoas tinham as lareiras acesas o que provocou muitos incêndios.
Houve também um marmoto no mar e a água do rio Tejo começou a avançar para a cidade, as pessoas fugiam para onde podiam, muitas morreram afogadas.
Morreu muita gente e muitos outros ficaram sem casa e sem nada. O terramoto destruíu a baixa da cidade e fez ruír casas e monumentos por todo o país.

Gonçalo Brandão

O terramoto de 1755, também conhecido por Terramoto de Lisboa, ocorreu no dia 1 de Novembro de 1755, resultando na destruição de Lisboa, quase toda. Sentiu-se em todo Portugal e até na Europa se sentiu. O sismo foi seguido de um tsunami - que se crê tenha atingido a altura de 20 metros - e de múltiplos incêndios, tendo feito certamente mais de 20 mil mortos (há quem aponte muitos mais). Os abalos demoraram cerca de três dias. Foi um dos sismos mais mortíferos da História.
O Terramoto de Lisboa teve um enorme impacto político e económico na sociedade portuguesa do século XVIII. Nesse altura o Marquês de Pombal disse a frase: “Enterrar os mortos e cuidar dos vivos”. Foi este Marquês que reconstituiu maior parte da cidade de Lisboa (o Rossio ,monumentos, ruas… )

Guilherme

A maior catástrofe natural que alguma vez aconteceu em Portugal foi o terramoto de 1755.
Neste terramoto, morreram mais de 60 mil pessoas.
Apesar do tremor de terra ter sido em Lisboa, foi tão forte que provocou vários estragos em todo o país.
Tudo aconteceu no dia 1 de Novembro de 1755.
Como era dia de todos os Santos havia muitas velas acesas nas casas e nos altares das igrejas.
Alem disso estava muito frio, o que fez com que as pessoas tivessem deixado as lareiras acesas.
Eram cerca das 9h45min da manhã quando se sentiu um abalo da terra muito violento.
Depois de muitas desgraças, umas horas mais tarde houve ainda mais um abalo!
A cidade incendiou-se. As velas e as lareiras que tinham deixado acesas ajudaram as chamas a crescer ainda mais.
As pessoas que sobreviveram rezavam nas ruas, cobertas de pó.
Durante três dias, os abalos e os incêndios não pararam.
Foram mesmo dias horríveis!

David Salomão

O Terramoto em Lisboa que aconteceu no dia 1 de Novembro de 1755 foi a maior catástrofe natural que aconteceu em Portugal. Este sismo foi tão forte que se sentiu em todo o país. Houve muitos abalos por várias horas. Morreram mais de 60 mil pessoas, e em Lisboa cerca de 20 mil das 250 mil que lá viviam. A tragédia foi tão grande porque como era dia de Todos os Santos havia muitas velas acesas e também por causa do frio, as pessoas tinham as lareiras acesas e isto ajudou a aumentar ainda mais o incêndio que aconteceu e que durou 5 dias. Por toda a cidade de Lisboa os prédios, as casas, as igrejas e edifícios públicos ruíram, abriram-se falhas na terra, o cais da cidade afundou-se e a água do rio Tejo avançou para a cidade. Durante três dias, os abalos e os incêndios não pararam. Muitas pessoas morreram soterradas e outras que tentaram fugir para o rio morreram afogadas.
Depois da tragédia o rei ordenou ao Marquês de Pombal que reconstruísse a baixa da cidade.
Foi nesta época que se construiu a Praça do Rossio, o Arco da Rua Augusta entre outras ruas. A maior parte dos monumentos que ficaram destruídos, foram depois restaurados.
No entanto, houve alguns monumentos, como o Convento do Carmo, em Lisboa, em que não se fizeram obras, para simbolizar este acontecimento tão trágico.

Inês Leite

Halloween


O Halloween, é comemorado no dia 31 de Outubro.
Teve origem nos antigos povos da Grã-Bretanha e Irlanda. Estes acreditavam que na véspera do dia de todos os santos, os espíritos voltavam para as suas casas.
Levado para os Estados Unidos pelos Gauleses, o Halloween é hoje em dia, uma das festas mais populares do país.
À noite os jovens disfarçam-se e percorrem de casa em casa dizendo a frase”Trick or treat “ que em português significa ”doçura ou travessura”e se as pessoas não derem nada os jovens fazem as suas travessuras.
As escolas americanas têm sido o grande canal divulgador desta tradição que em Portugal vem crescendo cada vez mais, talvez por causa da globalização.
David Salomão

O halloween é o dia das bruxas. O halloween comemora-se na noite de 31 de Outubro e significa a Noite de Todos os Santos.
O halloween é uma tradição que vem dos antigos povos da Grã-Bertanha e Irlanda. O halloween foi levado para os E.U.A em 1840, por emigrantes irlandeses que fugiam da fome.
As pessoas vestem-se de monstros, de bruxos e bruxas, vampiros, lobisomens, fantasmas… para assustar e fazer barulho. Se não lhes derem doces fazem travessuras (atirar farinha, atirar ovos, atirar papel higiénico) Eles dizem “Trick or Treat” que significa " Doçura ou travessura"


Inês Leite

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Ambiente

Incêndio por negligência

A propósito do Ambiente e da matéria que estudámos sobre prevenção de incêndios lemos um excerto do livro de Brigitte Labbé que conta a história de uma família que incendiou uma floresta.
Depois debatemos em grupo o assunto tratado, no texto e concluímos que a família Amaral é criminosa por negligência.
O que se passou foi que uma família decidiu almoçar numa floresta.
O pai grelhou umas salsichas para o almoço.
Quando acabaram de almoçar, descansados e satisfeitos, partiram de novo. Quando partiram deixaram a floresta impecável, meteram o lixo em sacos e colocaram os sacos nos contentores da estação de serviço mais próxima. Só lhes tinha saltado uma brasa acesa! E eles não deram conta!
Meia-hora depois a floresta estava a arder e a família Amaral ouviu na rádio.
A família Amaral dirigiu-se à esquadra mais próxima. Confessaram tudo, à polícia.
A polícia ficou muito zangada.
Mas depois desculpou-os, porque eles não pegaram fogo de propósito.
Quanto a nós deveriam, apesar de tudo, pagar todos os danos materiais porque toda a gente sabe que nunca se, deve fazer qualquer tipo de fogo junto da floresta.

Trabalho de grupo de alunos do 4º ano

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Noticia

Na Horta
No 23 de Outubro, fomos para a nossa horta plantar couves( tronchuda e galega)
Primeiro alisámos a terra e retirámos algumas ervas e pedras que estavam no canteiro.
De seguida fomos plantar as couves e o Igor esteve a cortar as canas dos girassóis com a tesoura de poda para irem para o compostor.
Escutámos a Engenheira Enoi que explicou que tínhamos que deixar espaço, porque as couves poderem crescer.
Alguns meninos estiveram, a apanhar tomates-cereja e a engenheira esteve a meter canas e fios para amarrar os fisalis, que já estão muito grandes.
David Salomão
23/10/2009

Dia da Alimentação



Aqui fica o gráfico que o David fez no excel e que fala das porções máximas e minímas que devemos comer, de cada grupo.
Não esquecer a água!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Assalto

Alguns meninos foram à casa de banho e ao irem viram o carro da professora com um vidro partido.
Disseram logo à professora. Quando ela foi ver viu o vidro partido!
Então ela chamou a G.N.R.
Quando a G.N.R chegou, levou-a para central da esquadra, para ela explicar o que tinha acontecido.
Nesse dia, um menino chamado Luís e uma menina chamada Micaela encontraram 3 cadernetas da professora.
No dia seguinte o marido levou-a à escola, porque o carro estava a arranjar.
Ela só espera encontrar duas pens e a mala. A mala porque era de marca e as pens porque tinham o P.C.T
Só esperamos todos que este assunto se resolva.

Quiquinho Miguel 2º ano

Assalto à professora Quicas

Ontem à tarde, dia 14 de Outubro de 2009, a nossa professora foi assaltada.
O que aconteceu foi mais ou menos assim:
A nossa professora foi almoçar e quando voltou deixou a mala no carro, à vista.
Quando estava a dar aula um menino pediu para ir à casa de banho e a Prof. deixou-o ir. Quando ele estava a ir viu o carro da Prof. com uma janela partida e quando voltou da casa de banho disse à professora.
Ela foi lá ver e estava mesmo o vidro partido e mala tinha desaparecido!
Depois ela telefonou à polícia. Quando eles chegaram disseram-lhe que ela tinha que ir à esquadra fazer a queixa e explicar o que aconteceu.
Enquanto ela estava na esquadra, dois irmãos, antigos colegas nossos, encontraram algumas coisas, como as três cadernetas do banco, a carteira dos documentos e a agenda.
Hoje ela veio de boleia com marido porque o carro estava a arranjar.
Ficou sem coisas muito importantes, além do dinheiro, que foram as penes com o P.C.T. (projecto curricular de turma), a mala que é de marca e o porta moedas preferido!!!
Inês Leite 4º ano

OUTONO

Chegado o mês nono
No jardim,
O Duende Canono
Prepara o Outono.

Embalando folhas,
Pintando os dias
Com amarelos
Laranjas, castanhos
Vermelhos e verdes mortos.
Tapetes tamanhos
Estalam ao passar

Duende Canono,
A Natureza já tem sono
Quer descansar.
Mas há-de voltar
A despertar

Oficina de escrita – Quiquinhos _

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Cartas ao Presidente da Câmara

Oliveirinha, 12 de Outubro de 2009

Caro e Excelentíssimo: Dr. Élio Maia

Sou o Guilherme aluno, do quarto ano, da professora Conceição da escola E.B.1 de Oliveirinha.
Estou a escrever-lhe esta carta para lhe dar os parabéns pela sua reeleição e a convidá-lo a vir visitar a nossa horta.
A Eng.ª Enoi tem sido uma pessoa essencial para o desenvolvimento da horta e esperamos que o Sr. Vereador do Ambiente continue a apoiar este projecto.
O professor Dinis tem sido uma pessoa impecável e tem-nos ajudado muito a trabalhar o raciocínio através do xadrez. Eu como jogador de xadrez. Quero pedir-lhe que obrigue o Vereador do Desporto a apoiar o xadrez nas escolas.
Espero que resolva o problema dos transportes. Sem os transportes não podemos visitar Museus, ir à Ciência Viva e frequentar outras actividades culturais da cidade, como por exemplo as do Teatro Aveirense.
Quero ainda acrescentar que os nossos materiais informáticos são uma vergonha e o nosso quadro electrónico já nem sequer funciona! Nunca temos Internet e somos um grupo que faz muita pesquisa e temos o nosso blogue para alimentar. Os fios andam todos pendurados e à solta. O grupo da informática da Câmara, não é lá muito bom e a professora está sempre a queixar-se porque tem que ser ela a colocar os nossos trabalhos no blogue. Hoje, mais uma vez vai ter que ser ela a enviar as cartas seleccionadas.
Um abraço do cidadão
Guilherme

Oliveirinha, 12 de Outubro de 2009

Caro Presidente Élio Maia:

Parabéns Sr. Dr. Élio Maia pela sua reeleição. Queremos convidá-lo para vir visitar a nossa horta. Sem a ajuda da engenheira Énoi não conseguiríamos cuidar tão bem da nossa horta.
Também o projecto do xadrez é muito importante para nós, para o desenvolvimento dos nossos conhecimentos na Matemática. O Prof. Dinis é um óptimo professor e por isso queremos continuar a ter aulas de xadrez com ele. Aproveito para pedir mais cinco jogos de xadrez e tabuleiros para jogarmos todos ao mesmo tempo.
É urgente resolver o problema dos transportes para podermos frequentar actividades culturais como: espectáculos, museus e ir à Ciência Viva.

Adeus, beijinhos
Quiquinha Ana Rita
Oliveirinha, 12 de Outubro de 2009

Olá Dr. Élio Maia:

Quero dar-lhe os parabéns pela sua reeleição.
Gostaria que viesse à nossa horta, que está muito bonita, graças à Eng.ª Ènoi que o Dr. Élio Maia nos mandou. Obrigada. Também quero que ajude o professor Dinis que é muito bom professor de xadrez.
Peça ao Sr. Presidente da Junta da Freguesia de Oliveirinha para meter os estores rapidamente, porque nós estamos com as cabeças ao sol.
Também peço que nos arranje autocarros para as nossas actividades culturais como a ir a espectáculos e a museus.
Espero que faça um bom trabalho.


Beijinhos Gonçalo 4ºano

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Os ovos Misteriosos


Resumo
Esta história é sobre uma galinha que fugiu da sua quinta, porque todos os dias a sua dona tirava os ovos que ela punha. Por isso a galinha decidiu ir para a mata e lá pôs um ovo no ninho.
Ela foi buscar comida e quando voltou havia muitos ovos no ninho, mas todos diferentes. Ela achou estranho, mas chocou-os a todos como se fossem dela.
Algum tempo depois, os ovos começaram a abrir. Apareceu um crocodilo, uma avestruz, uma serpente e um papagaio. Por último, nasceu o pinto, que era o seu filho verdadeiro. Mas a galinha de todos cuidava e de todos gostava de forma igual.
Um dia, um menino quis roubar o pinto. Então, todos os outros filhos impediram o menino de roubar o seu irmão pinto.
A galinha ficou tão contente e fez-lhes um grande bolo e depois todos à volta da galinha cantaram uma canção.
Por isso, devemos tratar bem todas as pessoas e as diferenças não importam. O que é importante é o que as pessoas são interiormente.

José Miguel Leite 2º ano

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Obras na Escola e um dia diferente de aulas





Ontem, dia 1 de Outubro fomos para a horta porque estavam a mudar as janelas e a nossa sala estava cheia de pó!
Então fomos para a horta, tirámos as ervas daninhas para as plantas poderem crescer.
Depois de tirarmos as ervas daninha, com os instrumentos da horta. alisámos a terra
Amarramos os tomateiros ás canas para eles poderem crescer melhor.
Á tarde fomos fazer doce de tomates e alguns foram trabalhar outra vez para a horta acabar a limpeza e regar.
David S. 4º


Ontem de manhã, quando chegámos à escola as janelas estavam a ser mudadas.
Não entrámos para a sala de aula, mas fomos trabalhar para a nossa horta.
Arrancámos ervas e plantas prejudiciais e pusemo-las no composto, sem as sementes.
Apanhamos as folhas do chão com a ajuda dos ancinhos.
Acabámos este trabalho e fomos regar a horta.
A nossa horta ficou muito bonita.
Fizemos ainda doce de tomate.
Assistimos à dissolução e a evaporação, quando fizemos o doce.
Descascámos os tomates e pusemo-los dentro de uma taça.
Depois pusemos o açúcar dentro da panela, os tomates e ainda um pau de canela. (1 kg de açúcar, 1,5 kg de tomates)
Hoje já metemos o doce dentro dos frascos.
Guilherme 4º ano

Dia 1 de Outubro de 2009 vieram uns senhores arranjar as janelas da nossa sala. Por isso fomos para a horta
A horta estava toda velha por isso arrancamos as plantas secas e partimos aos bocados para facilitar os bichinhos a fazer a compostagem.
Mas houve uns pequenos enganos: puseram raízes no combustor.
Então a Sofia e o David com alguma ajuda do Diogo tirara as raízes.
O João, o Guilherme e o Igor varreram o chão, e os outros arrancaram as ervas secas e apanharam as folhas.
Depois de tudo a professora regou a horta e o João Pedro, o que se esforçou mais levou um banho de água! !!
Fizemos também doce de tomate e vimos a dissolução, condensão e a evaporação. Sofia Maio 4ºano

Ontem de manhã, como estavam a mudar as janelas da nossa sala, fomos limpar a horta: tirámos as folhas do chão e as ervas daninhas e outra plantas que estavam secas, com a turma da professora Paula a ajudar.
À tarde, a outra turma foi-se embora porque a sala já estava limpa e nós ficamos a tirar lixo do chão e acabou a limpeza da horta.
Depois a professora regou tudo muito bem regado, porque a terra estava rija, porque nas férias, quase nunca regavam.
O que estava pior eram os morangos com os estolhos secos!!
Depois da horta limpa e regada fomos fazer o doce de tomate para a cozinha.
Os do 4ºano estiveram a tirar a pele dos tomates e a tirar as gradinhas.
Depois metemos o açúcar, o tomate e o pau de canela na panela e ficamos a ver aquilo a ferver.
Agora queremos vender o doce.
Gonçalo 4ºano

Ontem fizemos uma limpeza à nossa horta, com a ajuda da Professora Paula.
Arrancámos as ervas daninhas, tirámos-lhes as sementes, que foram para o lixo e pusemos o resto no compostor.
Tirámos as folhas secas dos canteiros e dos carreiros.
Recolhemos os tomates. Prendemos os tomateiros às canas.
Tirámos a palha dos morangueiros que também foram para o compostor.
Depois regámos a horta, que ficou muito bonita.
A seguir fomos fazer o doce de tomate.
Os ingredientes foram: tomates, açúcar e canela.
Primeiro descascámos os tomates (1,5kg) que pusemos na panela a ferver com o açúcar (1kg). Depois adicionámos canela. Deixámos ferver durante muito tempo. Fomos mexendo para o doce não agarrar.
Foi um dia divertido.
Ana Rita

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Assembleia Turma- Acta nº Um

Aos vinte e oito dias do mês de Setembro reuniu-se a Assembleia da Turma dos Quiquinhos com a seguinte ordem de trabalho:
Ponto 1- Eleição dos membros da mesa: presidente, vice-presidente e vogais.
Ponto 2: Escolha dos assessores.
Quanto ao ponto um a votação foi a seguinte: Gonçalo 8 votos, Inês Leite 2 votos, David Madail 1 voto, Ana Rita 1 voto, António 1 voto, Guilherme 3 votos, Ricardo 4 votos e um voto nulo.
Assim o Gonçalo foi eleito presidente, o Ricardo vice-presidente, o Guilherme e a Inês vogais.
Quanto ao ponto 2 os assessores escolhidos foram: David Salomão para assessor do presidente, André Oliveira para assessor do vice-presidente, a Sofia e o Igor para assessores dos vogais.
E por não haver mais nada a tratar foi encerrada a assembleia e escrita esta acta que irá ser assinada por todos os membros da mesa.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

A Professora Quicas voltou

Hoje, dia 28 de Setembro de 2009 veio a nossa Quicas esperada há duas semanas.
A professora veio muito alegre e com muitas saudades nossas e nós estávamos, também, com muitas saudades dela.
Ela veio com muita vontade de trabalhar e nós de aprender e sermos bons alunos.
Inês Leite

Passado duas semanas com a professora Ausenda, a nossa professora regressou.
Ficamos felizes por a ver outra vez.
A professora continua aleijada das costas, mas já consegue trabalhar.
A professora tem umas vértebras desfeitas, mas não lhe falta vontade de trabalhar.
Nós estávamos ansiosos por a ver e foi uma alegria quando a vimos.
Gostámos da professora Ausenda porque nos ensinou algumas coisas
Guilherme 4º ano

Hoje, dia 28 de Setembro a minha professora voltou à escola.
As duas primeiras semanas de aulas ela não veio porque tinha reumatismo.
Mas quando chegou à escola já estava quase boa.
Chegou muito contente.
Enquanto a nossa professora não veio tivemos aulas com outra professora que se chama Ausenda.
Mas gosto mais da Professora Quicas porque é brincalhona e ensina bem.

David 4º ano

Hoje voltou a nossa professora Quicas. Já há duas semanas que não vinha porque tinha dores de coluna.
Mas o que importa é que ela está melhor e já está aqui connosco a trabalhar.
Nós tínhamos muitas saudades dela e ela de nós. A professora Ausenda substituiu-a e era uma boa professora.
Mas agora já temos a Quicas de volta.
Eu gosto mais da Quicas porque é muito boa a ensinar, brincalhona e sábia.
Gonçalo 4ºano

Tenho a honra de anunciar a que a nossa querida professora Quicas melhorou e vai continuar a trabalhar connosco.
Ela ainda está com dores nas costas mas já pode continuar a ser a nossa professora.
Já estávamos “em pulgas” para a ver.
Há duas semanas que ela não vinha, e por isso ficamos com a professora Ausenda.
As aulas da Quicas são sempre mais divertidas e fantásticas. É divertido aprender com ela.
Lembrem-se de visitar o nosso Blogue. Ana Rita

Hoje, dia 28 de Setembro a minha professora voltou e a professora Ausenda foi-se embora .Ficámos todos felizes por a professora regressar.
Mas as costas continuam a doer-lhe! Nós podemos abraçar a professora Quicas mas tem que ser devagarinho. Nós tínhamos saudades dela. Estivemos a dar-lhe muitos beijinhos e abraços.
À tarde já vamos fazer a nossa Assembleia.

Igor

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Olá Quiquinhos

Eu sei que o ano não está a começar muito bem.
Cá estou eu na cama com muitas dores nas minhas costas, sem me conseguir mexer.
Estou cheia de saúdades dos meus meninos e meninas.
Gosto muito de vocês e como não quero mais doenças este ano, envio-vos este filme para vos ajudar a proteger da gripe.
Peçam à professora de Inglês que veja o filme na sala. Usem o quadro interactivo e aprendem novas palavras em inglês.
Espero que aproveitem os ensinamentos da professora Ausenda e peçam-lhe que vos leia histórias dos livros que aí deixei em cima da secetária.
Se fizerem trabalhos para o blogue mandem-me que eu publico.
É uma pena não termos câmara para eu ficar mais perto, mas estão sempre todos no meu coração.
Adoro-vos.
Portem-se bem.

Professora Quicas


Nota: Na barra do lado direito, adicionei mais um site à nossa lista. Visitem-no! E façam de conta que sou eu que vos estou a contar as histórias.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Férias!




Fechado para Férias!

Poderão ver os trabalhos anteriores através do arquivo.

Cumprimentos e até Setembro!

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Área de Projecto

Textos que resultam do Trabalho de Pesquisa e Tratamento de Informação, feito pelos alunos, traduzido pela professora de Inglês e apresentado no Final do ano à comunidade nas duas línguas.
China (English version)
1. The Capital of China is Beijing.
2. There are 1 billion 350(three hundred and fifty) million Chinese people.
3. The religions practiced in China are Buddhism, Islam and Christianity.
4. The official language in China is Mandarin. There are many local dialects like Vu, Min and Cantonese.
5. There are human rights violations in China like Child Labour and Forced Labour.
6. The most important in China is The Great Wall Of China. It defends China from its enemies.
7. There are 20 000 (twenty thousand) Chinese emigrants in Portugal.
8. Chinese people like rice.

China (versão Portuguesa)
1. A capital da China é Pequim.
2. Há 1 350( mil trezentos e cinquenta ) milhões de Chineses.
3. As religiões praticadas na China são o Budismo, o Islamismo e o Cristianismo.
4. A lingual official da china é o Mandarim. Há também dialectos locais como o Vu, o Min e o Cantonês.
5. Na China há violações graves dos direitos humanos, tais como o trabalho infantil e o trabalho forçado.
6. O monumento mais importante da China é a Muralha da China.Defende a China dos seus inimigos.
7. Há 20 000 (vinte mil) emigrantes Chineses em Portugal.
8. Os Chineses gostam de arroz.

India (English version)
1. The capital of India is New Delhi.
2. There are 1 billion 170 (one hundred and seventy) million Indian people.
3. The religions practiced in India are Hinduism, Buddhism, Islam and Christianity.
4. The official languages in India are Hindi and English, but there are many regional languages.
5. There are human rights violations in India like human trafficking and religious violence.
6. The most important monument in India is the Taj Mahal. It celebrates love.
7. There are 60 000 (sixty thousand) Indian emigrants in Portugal.
8. Indian people like curry.

India (Versão Portuguesa)
1. A capital da Índia é Nova Deli.
2. Há 1 170 ( mil cento e setenta) milhões de Indianos.
3. As religiões praticadas na India são o Hinduísmo, o Budismo, o Islamisno e Cristianismo.
4. As línguas oficiais da India são o Hindi e o Inglês, mas há múltiplas línguas regionais.
5. Há violações graves dos direitos humanos na India como o tráfico humano e a violência religiosa.
6. O monumento mais importante da Índia é o Taj Mahal. Celebra o amor.
7. Há 60 000 (sessenta mil) emigrantes em Portugal.
8. Os indianos gostam de caril.

domingo, 14 de junho de 2009

Passeio Escolar







No dia 5 de Junho “embarcámos” numa aventura de zoologia e construções históricas.
Partimos de manhã cedo.
Parámos numa estação de serviço par comer alguma coisa.
Seguimos viagem até Lisboa.
Tínhamos chegado a Belém quando começou a chover muito.
Não deu para visitar a torre Belém, nem o Mosteiro de Jerónimos.
Não conseguimos visitar Mosteiro de Jerónimos porque o trânsito estava interrompido, porque a R.T.P. estava a fazer, no Mosteiro de Jerónimos, o cenário para o directo das eleições europeias.
Depois partimos para o Jardim Zoológico.
Primeiro encontrámos um abrigo, porque ainda estava a chover muito.
Depois separamo-nos em grupos para dar uma visita rápida ao zoo.
Eram três horas da tarde quando fomos ver o espectáculo dos golfinhos.
No final do espectáculo parou de chover.
Assim conseguimos ver o parque todo.
No final despedimo-nos dos animais e fomos embora.
À que salientar a nojice em que o autocarro se apresentava.
Guilherme 3º ano

Eu fui com a minha mãe, os meus amigos da escola e com a minha professora ao jardim zoológico.
Eu gostei de andar no teleférico porque de lá do céu vi os animais.
Eu gostei do espectáculo dos golfinhos. Gostei do palhaço do espectáculo dos golfinhos!
Eu também gostei das cobras venenosas e do gorila a atacar a professora, porque ela lhe pôs a língua de fora!

David Madail 1º ano

No dia 5 de Junho de 2009, fomos todos visitar o Jardim Zoológico.
Fomos num autocarro velho que até já tinha musgo!
Estava muito sujo e era muito apertado, sem ar condicionado.
Nós íamos para ir à Torre de Belém e ao Mosteiro de Jerónimos mas não fomos porque estavam a preparar o cenário para as eleições europeias, da RTP1.
Depois fomos ao Jardim Zoológico visitar muitas espécies de animais: répteis, batráquios mamíferos, aves…
O que eu gostei mais foi das cobras.
Depois fomos ao espectáculo dos golfinhos às, 15:00 horas e alguns meninos foram andar no teleférico.

Gonçalo 3º ano

Eu fui com a professora, com a mãe, com o pai, com as duas avós e com o avô ao Jardim Zoológico .
Eu gostei do espectáculo dos golfinhos e da foca na água.
Eu gostei quando as meninas foram para a água brincar com os golfinhos.

Inês 1º ano

terça-feira, 2 de junho de 2009

Textos

Se eu fosse uma caneta
Se eu fosse uma caneta gostava de ser daquelas com uma pena.
Gostava de viver no passado, no tempo dos reis e nobres.
Gostava que o meu dono fosse o Luís de Camões.
Gostaria que ele me levasse para cave, porque era onde ele escrevia.
Passaria horas a fio a escrever, e sabia tudo o que ele escrevia.
Pela hora de almoço ficaria à espera em casa, que o Luís de Camões chegasse.
Pelo final da tarde poderíamos embarcar numa caravela e viajar por muitos países.
Seria eu o primeiro a ouvir as suas aventuras e seria eu que as registava.
Se eu sem querer caísse ao mar, devido às ondas o Luís de Camões ficaria destroçado.

Guilherme

No mundo da escrita

Uma vez no mundo da escrita, a rainha Lápisa e o rei Lápitsi, tiveram uma filha chamada Lálapi.
A Lálapi tinha uma amiga chamada Lipa e uma inimiga chamada Borra, que era uma borracha!
Todas as borrachas tinham o direito de lançar um feitiço de milénio em milénio.
Então, a Borra lançou um feitiço à Lálapi: “Tudo o que Lálapi escrever vai ser apagado.”
A Lálapi sentiu-se estranha e reparou que o que escrevia não se via. Então pediu ajuda à sua amiga Lipa.
A Lipa disse:
- O meu Lalá pesquisador disse que o que se passou contigo foi que um habitante do mundo das letras apagadas, que te lançou um feitiço e esse feitiço foi o seguinte: Tudo o que tu escreveres será apagado.
- Foi a Borra. – Disse a Lálapi.
- Como é que sabes?
- Quem poderia ter sido mais?
- Isso não interessa. Não te mexas vou tirar o feitiço.
- Como? – Perguntou a Lálapi.
- Chiu.
A Lipa retirou o feitiço e disse:
- Já está! Agora nada nem ninguém te poderá lançar-te um feitiço do mal.

Sofia

DIA MUNDIAL DA CRIANÇA







1ºde Junho
Dia da criança,
Cinquenta e nove anos
A semear esperança.

Nós crianças,
Hoje e aqui
Queremos
Tambores a rufar
Clarinetes a anunciar
Que já não há meninos
Com fome.
Que já não há meninos
Sem escola.
Que todo o mundo
Vive em paz
E
Que o mundo
Se coloriu
Em arco-íris
De amor

Nós crianças
Hoje e aqui
Queremos
Tempo para brincar
E com a família estar.

Texto colectivo com 3º ano

A propósito do 1º de Maio

Uma manifestação pelo Ambiente

Um dia, todas as crianças de todas as Escolas resolveram manifestar-se pelo Ambiente.
Esta manifestação destinava-se a dizer às pessoas que o Ambiente está em perigo.
Em primeiro fizeram os cartazes e a seguir combinaram a cor da roupa com que iam vestidos e por fim combinámos as palavras de ordem.
Chegado o dia os alunos e professoras partiram até às suas Câmaras Municipais gritando:
-A Poluição tem de acabar e o Ambiente continuar.
Então os Presidentes das Câmaras decidiram:
-A partir de agora haverá mais ecopontos e contentores espalhados e ninguém pode poluir. Quem poluir pagará as despesas da limpeza.


Ana Rita 3ºano


Manifestação
Direito ao Trabalho
Era uma vez uma cidade onde os habitantes estavam a ser despedidos.
Então as pessoas decidiram fazer uma manifestação a favor do Trabalho e contra o Desemprego.
Mas os políticos não ligaram às pessoas.
Então elas manifestaram-se até conseguirem o que queriam.
Antes de irem para a manifestação todos se vestiam como se fossem trabalhar para se perceber que queriam mesmo um trabalho, pois o direito ao trabalho é um direito fundamental.
As pessoas gritavam:
- Queremos emprego. Queremos emprego.
Sofia Maio 3º ano

domingo, 17 de maio de 2009

Campeonato Inter-Escolas por Equipas de Aveiro






Campeonato Inter-Escolas por Equipas de Aveiro

Professora - O quem achaste deste Campeonato Inter-Escolas de Xadrez?

Ricardo 1º ano - Foi muito fixe porque ganhei 4 em 5 jogos e porque fui capitão dos campeões.

Guilherme 3º ano -Eu achei que foi uma experiência única porque treinei o primeiro ano que foi campeão e porque ganhei os cinco jogos.

David 3ºano Acho que correu mal porque só empatei um jogo!

Inês 3º ano - Acho que foi bom porque foi a primeira vez que fui a um campeonato e ganhei dois jogos.

André Oliveira 1º ano - Gostei muito porque ganhei dois jogos e empatei um.

Diogo 1ºano - Gostei muito. Ganhei quatro jogos. Três foram a meninos do 4º ano e um ao 1º ano.

Zé Miguel 1º ano - Gostei de ir porque gosto de jogar xadrez e ganhei dois jogos. Um foi a um menino do 4º ano.

Professora - Parabéns aos meus meninos e Bem – Haja professor Dinis por acreditar e tanto lutar por este projecto.
O Tempo está a dar-nos razão.
FORÇA
Mais informações em http://xadrezaveiro.no.sapo.pt/

quinta-feira, 30 de abril de 2009

DIA DA MÃE

Maio
É flor.

Mãe
És amor,
Ternura
Valor.
Meu sol,
Meu calor
Luz
Que brilha
Lua,
Estrela
Doce alegria

Igor

Maio
É flor

Mãe
És amor.
És sol.
És lua,
Estrela,
Alegria
Luz de ternura,
Meu aconchego,
Minha doçura.

Sofia Maio 3ºano

Maio
É flor.

Mãe és amor,
És sol,
Calor
Brisa doce
Que me dá valor.
És uma estrela,
És a lua que brilha,
És ternura,
És alegria.

David 3ºano

Maio
É flor.

Mãe
És amor,
És ternura,
És a estrela.
Em ti vejo o meu valor
Em ti há sempre a ternura
Tu és o meu sol
Que me dá sempre luz e calor.
Tu dás-me alegria


Ana Rita 3ºano


Maio
É flor

E tu
Mãe
És amor,
És a certeza.
A luz ternura,
Calor doçura.
Minha alegria
Estrela da noite
A cor do dia

Gonçalo 3ºano

Primavera
Calor
Mãe
É amor.
Mãe
És doçura
Tu és sol,
Tu és ternura.
És alegria
O meu coração,
Luz
Do meu dia.

Guilherme

domingo, 26 de abril de 2009

Livros da Semana do 25 de Abril

Título do livro: O Companheiro
Autor: Sidónio Muralha
Ilustrador: Avelino do Carmo
Colecção: Nova Geração
Editora: Futura
Ano de Edição: 1975

A professora leu -nos este livro no dia 21/04/09

Resumo

O dono do chapéu verde era um homem bom e justo.
Ele defendia os direitos de todos. Mas quem mandava no seu país não respeitava esses direitos.
O governo tinha os Pides para lhes obedecerem e os protegerem.
Um dia, os fascistas, que governavam, mandaram matar o homem do chapéu verde.
O seu chapéu verde voou e ficou ao pé de umas árvores.
Entretanto, outro Democrata também foi assassinado pelos Pides.
O seu casaco voou para perto do chapéu verde.
Um lavrador encontrou o chapéu e o casaco perto de sua casa, levou-os para casa e disse à mulher para fazerem um espantalho. Ela concordou. Mas faltavam coisas.
Eles aproveitaram a roupa de um trabalhador bom que deixou tudo para emigrar, porque o seu país não lhe dava o sustento.
Quando acabaram de montar o espantalho puseram –o, no campo.
Mas o espantalho não assustava ninguém porque tinha sido construído com coisas de homens bons e justos.
Os pássaros gostaram tanto dele que lhe fizeram os ninhos nas suas algibeiras. Mudaram-lhe, então o nome e o espantalho passou a chamar-se Companheiro porque lembrava os homens bons e justos assassinados pelos fascistas e os que tinham que partir.
Os militares fartaram-se dos Srs. Fascistas e fizeram uma revolução.
Então o povo fez uma festa com toda a gente e o espantalho Companheiro, que representava os Homens bons mortos pelos fascistas
Ana Rita 3ºano

Título do livro: O Povo que não queria ser cinzento
Autora: Beatriz Doumerc
Ilustrador: Ayax Barnes
Editora: Centelha

A professora leu -nos este livro no dia 22/04/09

Resumo

Era uma vez um rei que vivia num país pequeno.
O rei só dava ordens às pessoas.
Um dia ficou sem ordens e pensou:
- Vou mandar as pessoas pintarem as suas casas de cinzento.
Toda a gente pintou a sua de cinzento, excepto “Um” homem que estava sentado e viu passar uma pomba vermelha, branca e azul.
O rei, quando viu a aquela casa pintada de vermelha, branco e azul caiu uma vez para trás.
Levantou-se rapidamente e depois mandou que os seus guardas que lhe trouxessem o homem.
Os guardas quando foram prender o “Um” não viram uma casa pintada mas sim duas.
Eles como não souberam o que fazer voltaram para o castelo e disseram ao rei.
O rei quando soube daquela notícia caiu duas vezes para trás e mandou os guardas buscar os dois homens, O “Um” e o “Outro”.
Os guardas quando lá chegaram viram três casas pintadas.
Os guardas sem saberem o que fazer voltaram ao castelo.
O rei caiu para trás três vezes e precisou da ajuda dos guardas para se levantar.
Disse muito zangado:
-Tragam-me os três homens que pintaram a casa de vermelho, branco e azul.
Os guardas quando desceram não viram três casas pintadas de cores alegres, mas sim 333.333 casas pintadas.
O rei quando soube caiu muitas vezes para trás e gritou:
-Tragam-me tudo o que for vermelho, branco e azul.
Os guardas desceram imediatamente e viram tudo pintado de vermelho, branco e azul.
Trouxeram homens, mulheres, cavalos, pombas…
O rei quando viu aquilo tudo pintado de vermelho, branco e azul caiu para trás e bateu com tanta força que faleceu.
O rei do país vizinho, com os binóculos, viu que o rei do país pequeno tinha mandado pintar o seu estandarte de vermelho, branco e azul.
Mandou os seus emissários ver qual era a razão das novas cores.
Um dos emissários perguntou o que se tinha passado a um homem e ele respondeu:
- Eu estava sentado e vi passar uma pomba vermelha, branca, azul e resolvi pintar a minha casa de cores alegres.
Os emissários foram logo falar com o seu rei.
Antes disso as pombas já lá tinham chegado.
As pessoas ao verem aquelas pombas resolveram pintar as suas casas de vermelho, branco e azul.
A história que acaba aqui pode começar noutro lugar e é também a história de Portugal que só ganhou cor com o 25 de Abril.
Guilherme 3º ano

sexta-feira, 24 de abril de 2009

25 de Abril


Era uma vez um país que não queria ser cinzento.
Nesse país não havia liberdade de expressão.
O Presidente do Conselho, o Salazar criou a PIDE(Polícia Independente do Estado).
Os PIDE(s) perseguiam os democratas bons e justos, ou seja aqueles que queriam um país melhor.
Entretanto, o Salazar morreu mas a falta de liberdades, a guerra e a fome continuavam.Quem veio ocupar o cargo do Salazar foi Marcelo Caetano.
Os militares já estavam fartos de fazer a guerra nas colónias e quiseram ajudar o povo a libertar-se dos fascistas.
Então, os militares combinaram que na madrugada do dia 25 de Abril iam fazer uma revolução.
Os militares tinham um amigo que trabalhava na rádio.
Os militares mandaram passar duas músicas que iriam servir de senhas para a Revolução
A primeira “Depois do Adeus” significava que tudo corria bem e servia para os militares se prepararem para sair dos quartéis.
A segunda música “Grândola Vila Morena” significava que podiam começar a revolução e saírem dos quartéis.
Saíram com um só destino e a firme intenção: chegar a Lisboa e derrubar o regime fascista.
Quando lá chegaram encurralaram os fascistas que tiveram que fugir para o Brasil.
No Rossio as vendedoras colocaram cravos nas espingardas.
Esta para mim foi a revolução mais bonita do Mundo porque foi feita com flores e na Primavera.

Guilherme 3º ano

Em Portugal havia uns governantes muito maus.
O Salazar mandava os jovens de 18 anos para a guerra em África.
Um dia, todos os militares combinaram uma revolução no dia 25 de Abril.
Combinaram com o companheiro da rádio as músicas que serviam de senha para a revolução.
Às 10 horas quando tocou a música eles prepararam-se e quando tocou a Grândola eles saíram dos quartéis e partiram para Lisboa. O plano tinha corrido muito bem.
De manhã disseram na rádio para as pessoas não saírem de suas casas mas elas felizes por ir acabar a ditadura não se importaram e saíram para apoiar os militares.
Em vez de balas nas armas apareceram cravos.
Foi uma revolução sem sangue e na Primavera para que Portugal feita renascesse.

Gonçalo

Era uma vez um Pais pequeno.
Um dia, nesse Pais, o Salazar mandou os jovens com 18 aos para a guerra em África porque achava que não se devia entregar as colónias aos povos delas.
Os militares resolveram fazer uma revolução no dia 25 de Abril, porque achavam a guerra injusta e disseram “Vamos acabar com os fascistas”.
No dia 25 de Abril 1974, os militares fizeram a revolução da democracia e prenderam os fascistas. Conseguiram tudo sem sangue.
A revolução foi feita na Primavera, com cravos nas espingardas.
Igor

Uma História para o Dia da Terra

Era uma vez um rapaz chamado Zé Bolacha que foi convidar a sua amiga Maria Bailarina, para irem os dois viajar até ao Mundo de Cartão, onde tudo era reciclado.
A Maria bailarina estava escondida e fez sinais ao Zé Bolacha para se esconder da chuva e do ,que muito zangados estavam a destruir tudo, numa grande tempestade.
Ele então sussurrou-lhe ao ouvido:
- Vamos fugir disto na minha nave espacial.
Ela concordou.
Ficaram de mãos dadas enquanto o Zé Bolacha contava até três para a nave descolar.
Durante a viagem falaram da poluição no Planeta Terra que fez com que a natureza se revoltasse com tempestades e furacões.
- Então cá vamos nós à procura de um Mundo melhor.
Quando Chegaram encontraram um mágico, chamado Palhaço Gargalhadas, uma linda menina feita com trapos chamada Boneca Joana e os seus animais domésticos, o Acento e a Inércia.
O Zé bolacha pediu:
- Podem ajudar-nos a limpar o nosso mundo?
- Já sei o que podemos fazer, Vamos construir uma máquina limpadora. – disse a Boneca Joana.
- Como? – perguntaram as crianças em coro.
- Precisamos de velas, de rodas de moinhos, de duas caixas grandes de metal e de um pouco da magia do palhaço Gargalhadas.
Juntaram os materiais e todos construíram a máquina.
O plano resultou.
A Natureza, a chuva e o vento ficaram muito gratos e a partir dessa altura só apareciam quando eram precisas.

Sofia 3º ano

Uma manifestação pelo Ambiente

Um dia, todas as crianças de todas as Escolas resolveram manifestar-se pelo Ambiente.
Esta manifestação destinava-se a dizer às pessoas que o Ambiente está em perigo.
Em primeiro fizeram os cartazes e a seguir combinaram a cor da roupa com que iam vestidos e por fim combinámos as palavras de ordem.
Chegado o dia os alunos e professoras partiram até às suas Câmaras Municipais gritando:
-A Poluição tem de acabar e o Ambiente continuar.
Então os Presidentes das Câmaras decidiram:
-A partir de agora haverá mais ecopontos e contentores espalhados e ninguém pode poluir. Quem poluir pagará as despesas da limpeza.


Ana Rita 3ºano

quinta-feira, 19 de março de 2009

Poemas para o Dia do Pai

Pai,
Minha fonte energia.
Contar consigo sempre
É a maior alegria.

Pai,
O meu amor é imenso,
Não cabe aqui escrito
O que de ti penso.

Pai,
Para te mostrar
O meu Amor
Ofereço-te
A magia da cor.
Guilherme 3º ano

Pai,
Criador de mim
E da imaginação,
Que me dá asas,
Para a arte.
Nunca me cansarei
de te dizer
Que é bom amar-te.
O tempo passa depressa,
Mas estar contigo
É o que interessa.
Sofia Maio 3ºano

Pai,
És o meu anjo da guarda
Ter-te ao meu lado
É uma alegria
Mais uma vez te falo
Do meu amor
Com um trabalho de cor.
Ana Rita 3º ano

Pai,
Agora que sei escrever
Aproveito para te dizer
Que te dou o meu amo
Neste quadro cheio de cor

Poemas do Dia

sexta-feira, 13 de março de 2009

A cozinha é um laboratório

Esta semana o nosso laboratório foi a cozinha.
No dia 11 de Março de 2009 estivemos a fazer bolinhos de coco, com a ajuda da professora Carina e de alguns dos seus alunos.
Foram precisos quatro ingredientes: açúcar, leite, ovos e coco.
Depois moldámos bem de forma a que se integrassem todos numa só massa.
Em seguida moldámos bolinhas com a massa.
Feito isto colocámos as bolinhas nos papeis.
Depois a nossa professora pôs os bolinhos num miniforno.
No dia seguinte, fomos à pré da São, com os bolinhos de coco.
Quando chegámos, sentámo-nos.
Alguns meninos da São fizeram um teatro chamado “A casa da Mosca Fosca”.
Depois contaram-nos um resumo de uma história que também tinham dramatizado.
A seguir fizemos um piquenique no pátio da pré, onde as educadoras e a professora Carina distribuíram fatias e bolinhos.
Depois regressámos à escola e fomos regar a nossa horta.

Ana Rita 3ºano

sexta-feira, 6 de março de 2009

Diário da Horta

E a nossa horta continua…
Estivemos a plantar chuchus, com a ajuda da engenheira Enoi e do senhor Fernando.
Em primeiro escavámos a terra e separámos a terra boa (solo arável) da terra má (manta morta). O senhor Fernando também escavou com uma enxada em cada buraco, para nos dar uma ajuda.
Depois, com telhas ao alto, fizemos pequenos canteiros.
Misturámos terra com estrume e despejámo-la nos canteiros.
A seguir a engenheira Enoi plantou um chuchu para exemplificar.
A propósito desta nossa plantação aprendemos que os chuchus também se podem chamar pepinelas.
Este fruto pode ser consumido cozido ou frito, em sopas, cremes ou saladas frias. É rico em fibras, potássio e vitaminas A e C e é pobre em calorias. É muitas vezes usado para substituir as batatas.
É uma planta trepadora e os seus ramos podem atingir 15 metros!
Os frutos podem ser arredondados ou terem a forma de pêra e a casca pode ser lisa ou ter espinhos. A sua cor varia entre o branco e o verde-escuro.
Depois de plantado, o chuchu começa a dar os primeiros frutos passados 5 e 6 meses. As maiores produções ocorrem no 2º e 3º ano.
Vive entre 10 e 20 anos. Pode morrer em invernos rigorosos. Gosta de estar ao sol e dá-se bem em solos profundos ricos em matéria orgânica.
Agora além de Moranquicos somos também Chuchuquicos!!

Ana Rita 3ºano

terça-feira, 3 de março de 2009

MoranQuicando

MoranQuicos no Carnaval.
Todos diferentes e todos iguais na alegria da festa.
A professora sonha-as de noite para as recriarmos e reinvertarmos de dia.
Os morangos crescem felizes na nossa horta biológica.
(Obrigada Eng. Enói)
Os tambores rufaram sons da descoberta dos ritmos e das músicas tadicionais. (Obrigada Joana)
Depois as nossas roupas, todas morangos mas todas diferentes, mostraram o nosso grupo diversificado, mas unido.
(Obrigada mamãs).
E agora a edição e a publicação do nosso filme.
(Obrigada Maria)
video

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Gaitas de foles na Escola


Noticia:
Três músicos da escola da Fanfarra de S.Bernardo vieram à escola fazer um mini-concerto Tocaram com gaita-de-foles, com um tambor e com uma pandeireta.
A professora gostou tanto que disse que era bom nós irmos para a escola da Fanfarra de S. Bernardo.
Acho que o concerto foi muito giro. (David)


Estávamos nós a ensaiar a “chula” do Minho que é a música que a Joana, filha da nossa professora nos ensinou, quando apareceram dois rapazes e uma rapariga.
A professora disse-nos que eram os músicos que ela tinha convidado para um mini--concerto.
Quando acabàmos o ensaio fomos ouvi-los.
Em primeiro começaram por se apresentar.
O mais alto era o Zé e era o chefe da Banda de Gaita de Foles.
A rapariga era a Marta e era ajudante do Zé.
O outro era o Nuno e é irmão da Ana do 3ºano.
Primeiro tocaram um música galega com gaita de foles e tambor.
A outra música foi uma música escocesa com gaita de foles e pandeireta.
No final deixaram-nos ver os instrumentos.
A minha opinião sobre o mini-concerto foi que tocaram muito bem. ( Guilherme)

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

S. Valentim

Para os nossos pais:

Dia de S. Valentim
Vou-vos dar uma flor
Para vos agradecer
Todo o vosso amor.

Dia de S. Valentim
É dia dos namorados
Convido-vos para irem
Comigo, comer gelados.

Dia de S. Valentim
Rosas e violetas
Vos queria entregar
Como as não tenho
Um beijo
Vos vou dar.
Colectivo

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

A Vida é Bela e os Direitos Humanos


Resumo do filme

Uma história passada em Itália e na Alemanha durante a 2.ª Guerra Mundial.
Era uma vez um senhor chamado Guido que chamava Princesa à Dora, que era a mulher que ele amava.
Guido passava o tempo a surpreender Dora.
Um dia no Hotel Grand, em Itália, quando Dora ia casar com outro homem que não amava, pediu a Guido para a tirar dali.
Guido entrou montado num cavalo e disse a Dora para subir.
Dora subiu e foram para casa.
O tempo foi passando, Dora e Guido casaram e tiveram um filho.
No aniversário do filho, os soldados alemães levaram o pai e o filho porque eram Judeus.
Dora, apesar de não ser judia meteu-se no comboio também.
O comboio levou-os a um campo de concentração.
Para o filho não perceber o que aquilo era, Guido inventou um jogo e convenceu - o que estavam a viver dentro do jogo.
O tempo passou e as tropas Aliadas vieram para salvar as pessoas dos campos de concentração.
Guido mesmo na hora da libertação foi morto, mas o filho saiu do campo de concentração com os pontos que precisava para ganhar o “jogo”.
Ana Rita 3ºano

A Vida é Bela e os Direitos Humanos

O filme “A Vida é Bela” é bem um exemplo de como durante a 2ª Guerra Mundial não se respeitaram os Direitos Humanos.
Quando acabou a 2ª Guerra Mundial, um grupo de Nações juntou-se e escreveu a carta dos Direitos Humanos para que estes nunca mais fossem violados.
Em 1959, a ONU (Organização das Nações Unidas) escreveu e aprovou a “Declaração dos Direitos da Criança”.
Agora nenhuma criança pode ser descriminada como o Josué foi, por causa da sua religião.
Agora todas as crianças têm direito à protecção, à liberdade e à dignidade.
Agora todas as crianças têm direito à alimentação, a divertir-se e a assistência médica.
Para que Josué vivesse o melhor possível, no campo de concentração, o seu pai, com amor e imaginação foi inventando um jogo e conseguiu ir ultrapassando todos os perigos, criando-lhe um ambiente de “segurança”.
Então o Guido com o seu jogo conseguiu dar ao filho aquilo que a sociedade não lhe deu, protegendo-o das crueldades dos Nazis.
Existe uma carta dos Direitos da Criança mas infelizmente os dez princípios ainda não são cumpridos, em todo o Mundo.
Por isso ainda há muito que fazer.
Nós, para já, devemos estudar para quando formos adultos não no deixarmos enganar, pelos políticos e para, no futuro, vivermos em sociedade como bons adultos e contribuir para que outras crianças vivam felizes!

Guilherme, Sofia, Gonçalo, David, Igor, Ana Rita e Inês

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

video
Já desde 2005, tinhamos como projecto construir uma horta e fazermos plantações e sementeiras biológicas.
Não é só falar do Ambiente é preciso praticá - lo.
Tinhamos muita vontade.
A professora pediu apoio à Junta mas esse apoio nunca chegou e os nossos colegas do 4º ano foram para o 5º sem a horta.
No ano passado continuámos a querer desenvolver o projecto da Horta, já com outro grupo de colegas do 4º ano.
Tivemos muita sorte porque o Presidente da Câmara e o Vice- Presidente aceitaram o nosso convite, vieram participar numa das nossas Assembleias de turma e prometeram que nos íam apoiar. O Rodrigo trouxe umas paletes para que nos fizessem o muro da nossa horta e a nossa querida engenheira Enoi começou logo a trabalhar connosco. Mas a horta não foi construída e nós só plantámos tomateiros e alfaces, em garrafões.
Houve salada mas sem horta!
Este ano lectivo, a Câmara trouxe primeiro a terra, depois fizeram-se os canteiros, delimitou-se a Horta com as paletes, limpámos o solo das pedras e do mau estrume e finalmente plantámos os nossos morangueiros que protegemos com uma estufa.
A engenheira Enoi explicou-nos tudo e nós fizemos.
Passado uma semana a Rita descobriu, que apesar do mau tempo, havia morangueiros a rebentar.
Agora, passados 15 dias, temos um canteiro lindo cheio de viçosos morangueiros.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Inverno chegou.
O frio aumentou.
Já há animais
A hibernar.

As crianças terão
Que se agasalhar,
Para lá fora
Irem brincar.

Na neve,
Bonecos vão construir.
Em casa,
À lareira,
Histórias vão ouvir.
Contos maravilhosos.
Que as embalam.
Até dormir.
Inês Leite 3º ano
5/1/2009

O Inverno chegou
O Outono partiu
O frio voltou
Ouve-se menos piu-piu.
Sofia Maio 3º ano


Inverno
É a estação do frio
E quando saímos à rua
Ficamos com um arrepio.

Na ceia de Natal
Comi bacalhau,
Batatas e aletria.
Deram-me bons presentes
Rebentei de alegria.
Guilherme Sousa 3ºano


Inventam-se brancos
No céu, nas nuvens, na neve
Ventos uivam ao anoitecer
Estalam os paus na lareira
Relêem-se velhas histórias
Natal
Os meninos sonham o Ano Novo
Ana Rita 3ºano